EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

sexta-feira, 18 de março de 2011

Lázaro Ramos: visita de Obama ajudará negros do Brasil




DA BBC BRASIL
Um dos novos expoentes entre os artistas negros no Brasil, o ator Lázaro Ramos acredita que a visita de Barack Obama e sua família pode ter um forte impacto para a autoestima da população negra brasileira, e diz que o presidente tem um valor simbólico "inestimável" para além de sua política.
"Você não acha que uma criança negra que vê um presidente como o Obama não vai se sentir mais possível? Ver um referencial positivo sempre estimula a gente a querer mais", diz Ramos em entrevista à BBC Brasil.
Morador do Rio, o ator baiano pretende ir assistir ao discurso de Obama na Cinelândia no domingo e, se possível, levar sua câmera para filmar Obama mais uma vez. Ele fez questão de comparecer à posse em Washington em 2009, e as emoções que captou com sua câmera no Capitólio e ao seu redor viraram o minidocumentário "O dia da posse de Obama".
"Acho que retratei o que foi histórico naquele momento, que eram as pessoas de várias etnias e classes sociais se sentindo representadas por aquele cara, num dia em que a esperança era quase possível de tocar", diz Ramos.
O ator diz que sua admiração não diminuiu com o governo de Obama, e ressalta estar interessado mais no que o presidente e sua família simbolizam do que em sua política.
Atual galã da novela das oito da Rede Globo, "Insensato Coração", Ramos é casado com a atriz Taís Araújo e está prestes a ser pai. Diz que a família de Obama é um exemplo para ele.
"Eu gostaria de ser aquela família, sabe? Para nós, que somos de um país com população de maioria negra, é muito importante receber essa família."
Leia aqui os principais trechos da entrevista.
Lázaro, você vai ver o discurso do Obama no domingo?
Estou me programando para ir. Quero ver o que ele vai falar no Brasil. Obama é simbólico e é importantíssimo estar atento aos seus atos. Inclusive vou levar um DVD do documentário para ver se eu consigo entregar a ele.
O que você acha que a visita do Obama representa para o Brasil?
Politicamente, acho que é a visita de mais um líder mundial. Sempre é saudável ver a interação do nosso país com outros líderes. Mas, simbolicamente, acho que tem o mesmo efeito que teve em sua eleição. No momento da campanha dele, a gente se identificava muito com ele aqui no Brasil.
O Obama tem um valor inestimável simbolicamente, e por isso acho tão importante eu ter tido a oportunidade de estar lá no dia da posse. Não só por ele ser negro, mas pelas coisas que ele fala, pelas atitudes que ele tomou como senador, pela família que ele constituiu.
Simbolicamente, sua trajetória teve um efeito incalculável em mim e em várias pessoas que conheço. Ainda mais em uma nação como os Estados Unidos, que passou oito anos sob o comando de Bush, um dos presidentes mais equivocados que a história do mundo já produziu. De repente passar de Bush para o Obama foi uma mensagem para o mundo da população americana, que resolveu tomar outra direção.
Você acha que o fato de ele ser o primeiro presidente negro dos Estados Unidos vai ter um impacto forte para a população negra brasileira?
Ah, claro que sim. Acho que isso afeta a nossa autoestima de uma maneira incalculável. Você não acha que uma criança negra que vê um presidente como o Obama não vai se sentir mais possível? Ver um referencial positivo sempre estimula a gente a querer mais, a se sentir mais possível. Eu falo de criança porque geralmente é onde referências são importantes, mas para mim ele também é uma superreferência.
Quando o Obama foi eleito, o clima era de esperança em grandes mudanças. Mas hoje muitos se dizem decepcionados com sua política e com as promessas que ainda não se concretizaram. Você é um deles?
Eu me apego ao Obama como valor simbólico. Na relação política, acho que ele é um político como qualquer outro. Pegou um país em crise e está passando por dificuldades por que qualquer líder passaria, pegando um país como os Estados Unidos quebrado como estava.
Mas nem me apego tanto a isso porque ele é presidente dos americanos, não é? Meu presidente foi Lula e agora é Dilma. Eu fico acompanhando mais a Dilma. Mas fico sempre na torcida para que o governo de Obama dê certo, porque esse cara é muito importante para a história mundial.
Então você não tem um olhar crítico sobre a sua política?
Politicamente, os interesses são do povo americano, do partido democrático, e aí são outros quinhentos. Quando me perguntam sobre o Obama, sempre faço questão de ressaltar esse lado simbólico dele. Acho que isso é o que mais nos afeta.
E quando falo desse lado simbólico do Obama, falo também da família dele. Não consigo excluir a Michelle e as filhas como um referencial. Eu gostaria de ser aquela família, sabe? Para nós que somos de um país com população de maioria negra, é muito importante receber essa família. Um cara que cuida tão bem da sua família, uma mulher que está ali parceira de seu marido, e também com um discurso bacana, com projetos interessantes. Isso me toca como brasileiro.
O que te levou a ir filmar a posse de Obama?
Acho que era óbvio que eu tinha que ir, porque foi uma data que teve o tamanho do discurso do Martin Luther King, do dia das Diretas Já. Eu estava estudando inglês e cinema em Nova York, tão próximo. Entrei num trem e comecei a filmar. E foi muito interessante, porque acabei tendo um enfoque que poucas pessoas tiveram. Depois procurei no YouTube e vi que ninguém tinha feito a mesma coisa.
Como eu não consegui acesso oficial para filmar o discurso, resolvi filmar a minha situação de cidadão comum, saindo de Nova York até Washington. Foi ótimo, porque filmei as pessoas no vagão comigo, saindo na estação do trem, a emoção das pessoas. Entrevistei gente que veio de vários locais diferentes. Acho que eu retratei o que é histórico naquele momento, que eram as pessoas de várias etnias e classes sociais se sentindo representadas por aquele cara, num dia em que a esperança era quase possível de tocar.
Esse é o momento que fica da posse do Obama. O que vem depois é a trajetória de todo político, com altos e baixos e buscando defender os interesses da sua nação.
Você pretende filmar o discurso na Cinelândia no domingo?
Se deixarem, né? Não sei como vai ser o esquema lá. Vou pedir autorização, mas não sei se vou conseguir.
Em breve você também vai ser pai. Pensando no futuro de seu filho, o que você espera que mude no Brasil em relação à diversidade racial?
Espero que a gente consiga valorizar o nosso maior patrimônio, que é a diversidade. Temos tido melhoras no nosso país, mas ainda está longe do ideal. Ainda não entendemos que a diversidade é um valor e que podemos conviver com ela de maneira saudável, um respeitando o outro e garantindo direitos iguais para todos. Isso que eu espero, mas não só para o meu filho, não. Se estiver bom para todo mundo vai estar bom para ele.
Você disse que gostaria de ser parte da família de Barack Obama. Se você pudesse conhecê-los, o que gostaria de mostrar do Brasil?
Como baiano corporativo, eu diria para ele: "Pô, Obama, tu já chegou aí no Rio, agora vamos dar uma voltinha ali no Pelourinho pra você conhecer também!" (risos) Acho que se o Obama vier para a Bahia ele não volta para os Estados Unidos não, ele fica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário