EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

quarta-feira, 30 de julho de 2014

CONCHA BUIKA UMA VOZ NEGRA NA ESPANHA VEM AO BRASIL




Fonte: Wikipédia 

A que  já se apresentou em mais de 22 países, apresenta-se no Brasil (São Paulo) em Setembro no HSBC Brasil





Concha Buika nasceu em 11 de maio de 1972, em Palma de Mallorca , a capital das Ilhas Baleares em Espanha. Ela é filha de pais Equatoguinean, o escritor falecido Juan Balboa e Honorina Buika, e atualmente vive em Miami, Florida , EUA .
Buika é poeta aa, compositor, produtor musical e considera o papel de "mãe" a sua prioridade fundamental.
Tem sido dito que "Buika combina todos os estilos, juntamente com suas letras carregadas de emoção e tal sensualidade quebrado em sua voz, torná-la uma artista sem igual."

Ela tem colaborado com músicos e cantores em Espanhol, Catalão, Inglês, Francês e Português, com artistas como Anoushka Shankar , Chick Corea , Niño Josele , Mariza , Bebo y Chucho Valdes , Luz Casal , Ivan "Melon" Lewis, "Dizzy" Daniel Moorehead, José Luis Perales , Seal , Armando Manzanero , Nelly Furtado e Javier Limon .
Buika tem colaborado nas trilhas sonoras de vários filmes. Sua última experiência foi em 2011, quando o diretor Pedro Almodóvar incluiu duas canções Buika em seu filme La piel Que Habito ( The Skin I Live In ). As canções de Buika "Por el amor de amar" (Pelo amor de amor) e "Se me hizo facil" (eu achei fácil) fez sua primeira aparição na tela grande.
Buika já se apresentou em mais de 22 países. Em 2010, ela se apresentou 95 concertos em lugares como França, Turquia, Argentina e México.


Em 2000, Buika começou na indústria da música com seu primeiro álbum Mestizuo (2000, Producciones Blau SL), uma apresentação em forma de piano e vocais. Mais tarde, este foi seguido por Buika (2005, DRO), ea trilogia produzida pelo produtor musical Javier Limon, Mi niña Lola (My baby girl Lola - 2006, DRO), Niña de Fuego (Menina de Fogo - 2008, Warner), que incluiu o seu primeiro livro de poemas, e El ultimo Trago (A última bebida - 2009, Warner),
Um álbum CD antologia que inclui suas canções mais cruciais, bem como, algumas canções inéditas.
Em 2010, um artigo de Alice Winkler de NPR listados Buika entre os melhores 50 vocalistas. O artigo definido-a como "a voz da liberdade". 
A chegada do sétimo álbum de Buika em 2013 é levá-la para uma nova etapa de sua carreira. Uma era definido por seus diferentes processos criativos, que incluem o seu segundo livro de poemas, "Para aqueles que amava as mulheres graves e acabou facilitando up", e produzir seu primeiro filme baseado em um conto de seu livro, "De solidão para o inferno" .
Novo álbum em grande parte auto-produzida de Buika, La Noche Mas Larga , gravado em Nova Iorque e Madrid , saiu em 4 de junho de 2013. O álbum contém cinco de suas próprias composições, incluindo uma colaboração com Pat Metheny em própria composição do Buika "No Lo Se", bem como sua visão sobre essas canções clássicas como "La Nave del Olvido", " Não explicam "," Ne Me Quitte Pas "e" Siboney ". Seu site recentemente alterado para conchabuikamusic.com.

SERVIÇO:
  • Categoria: Show 
    Gênero: Jazz
    Local: HSBC Brasil
    Cidade: São Paulo/SP 
    País: Brasil
    Endereço: Rua Braganca Paulista, 1281 - Chácara Sto Antônio
    Cep: 04727-002

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Festa ‘Obá’ homenageia orixá Nanã ao som de Elza Soares e muito mais






Fonte: Catraca Livre 
Fotos edições anteriores: Douglas Campos 
No dia 26, sábado, é dia de festejar o orixá feminino mais velho, Nanã, considerada a avó, que representa a memória ancestral do povo africano. E para comemorar, a festa afro-brasileira“Obá” convida o público para se divertir e homenagear algumas de nossas cantoras e compositoras negras, entre elas, estão Jovelina Pérola Negra, Clementina de Jesus e Elza Soares. O evento acontece a partir das 23h, com entrada a R$ 20.


Além das discotecangens dos DJs Dani Nega e Jonatha Cruz, a festa conta também com o “momento de microfone aberto”, em que pessoas convidadas levantam questões sobre a posição da mulher negra na sociedade.
Enquanto a festa rola, o público também pode conferir a exposição fotográfica “Ato de Cláudia”, além de outras intervenções artísticas, que acontecem durante toda a noite. E para completar a diversão, como de costume, o evento serve o Aluá, uma bebida tradicional criada pela chef Cássia Cazita.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

AULA ABERTA PARA DJS



A Guerreiros Produções realizará no dia 30/07 (quarta-feira) a #AulaAbertadeDjs,  o encontro é organizado pelo DJ Erry-g. Neste, os interessados pelo assunto, simpatizantes, alunos e ex-alunos poderão se encontrar e fortalecer a linguagem, além de ampliar seus conhecimentos e compartilhar experiências sobre o universo dos Dj's. 
O encontro é aberto ao público.Vem com nóis, vamos trocar experiências sobre este incrível universo!
É só chegar! A atividade é gratuita e aberta a todo o público.

SERVIÇO
Atividade: Aula Aberta Dj / Discotecagem & Performance
Dia: 
 Quarta-feira
Horário: 19hs 
Inscrições: Por telefone ou e-mail.
Pré-requisitos: Não há
Inscrição pelo e-mail: guerreiros13@gmail.com
Telefone: 11 942.343.583


Desde já muito obrigada
 ​,
​​
Atenciosamente,
Jaqueline
GUERREIROS PRODUÇÕES
Eventos, Produções e Projetos
Tels.: 55 11 942.343.583

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Com patrocínio da Petrobras o CEERT lançou projeto contra o racismo na infância e reúne grandes expoentes para debater o tema


Fonte : Carlos Romero 


Alcançando a lotação máxima de um auditório na cidade de São Paulo, o Centro de Estudos das Relações do Trabalho e Desigualdade (CEERT), realizou nesta quinta-feira, dia 17 de julho, a solenidade de lançamento do projeto "Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e Adolescente na Promoção da Igualdade Racial”, com a presença de nomes que são referência não só na luta pela equidade entre as raças, mas também profissionais envolvidos com questões pertinentes à Criança e ao Adolescente.



Mesa Solene
Compuseram a mesa explanadora dos trabalhos, o Dr. Hédio Silva Jr., Diretor Executivo do CEERT; o Dr. Antonio Carlos Malheiros, Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo; o  Diretor de Relações Institucionais da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB/SP): Luiz Flávio Borges D’Urso; o Cônsul geral de Angola, Belo Mangueira; Dr. Antonio da Silva Pinto, Secretário da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial (SMPIR), Solange Agda, Vice-presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente de São Paulo;  Mariza Monteiro Borges, Presidente do Conselho Federal de Psicologia (CFP); Elisa Lucas, da  Coordenadora de Políticas para a População Negra e Indígena da Secretaria de Justiça de São Paulo; Daniel Teixeira, integrante do CEERT e Coordenador do Projeto; e a Segunda Secretária do Consulado Geral de Angola, do Rio de Janeiro, Luzia dos Anjos.
Além destes, também marcaram presença o cineasta Joelzito Araújo, o ex-presidente do Conselho da Comunidade Negra, Marco Antonio Zito e o Dr. Jader Macedo da Comissão de Liberdade Religiosa da OAB/SP, entre outros.
A proposta do encontro foi apresentar o projeto que visa mostrar como o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) pode ser usado como instrumentos imprescindíveis para o enfrentamento da discriminação racial na infância e adolescência e para a adoção de políticas igualitárias através da participação de órgãos públicos e sociedade. Dados do Conselho Nacional de Adoção, regido pelo Conselho Nacional de Justiça, apontam que 47% das pessoas interessadas em adoção declaram que a cor da pele do futuro filho é uma informação relevante e 37% preferem exclusivamente crianças brancas. Em maio de 2011, um total de 30.378 interessados inscritos e 7.949 crianças e adolescentes disponíveis para adoção, sendo que a maioria destas 51%, constituída por negras e pardas.
Em virtude de questões como esta o CEERT com patrocínio da Petrobras, e parceria com a Ordem dos Advogados e do Tribunal de Justiça de São Paulo, criou o projeto a fim de levantar informações sobre casos de discriminação às crianças e adolescentes, será produzir livros e vídeos referentes ao assunto. Será realizado cinco seminários regionais e implementar um curso de formação continuada para os conselheiros tutelares. Adotando um papel de fomentador e de organizador do tema.
Todos que compuseram a mesa tiveram a oportunidade de expor suas opiniões sobre o projeto desenvolvido pelo CEERT.

“O judiciário tem tudo haver com este programa. Eu sou daqueles que têm o juiz como um agente político importante. O judiciário e os juízes não são meros cumpridores da Lei. Cumprir a Lei é obrigação. O racismo contra a criança é uma violência que não tem tamanho, muitas vezes disfarçado e despercebido pelas pessoas. Um atentado aos direitos humanos. Nós da magistratura e da OAB de São Paulo fizemos uma campanha para adoção de crianças negras. É necessário que a gente vá além da Lei e é por isso que o Tribunal de Justiça vai estar junto neste projeto. Nós vamos buscar com os juízes da infância e da juventude em todo Estado de São Paulo um apoio ainda maior para esta tarefa de ir além na luta contra o racismo em relação às crianças e adolescentes. Não tenho a menor dúvida de que o racismo, mesmo este que muitas vezes não prestamos atenção é muito prejudicial para nossas crianças”, disse o desembargador Malheiros.  


Estima-se agora que será anunciada uma parceria com o Tribunal de Justiça (TJ), onde o CEERT irá divulgar um rol de pesquisadores, mestres e doutores, negros e brancos, para dialogar com os interessados em adoção. Uma iniciativa do TJ e do CEERT pioneira para minimizar a rejeição às crianças negras no processo de adoção.
O secretario da SMPIR falou sobre a importância da iniciativa do CEERT.

“Muitas vezes a gente se concentra em apenas um tema, mas há tanto para debatermos.  Quando fui convidado para este lançamento meu coração se alegrou, pois a questão do racismo contra a criança e o adolescente é um grande problema para nossa comunidade. É de extrema importância a ação do CEERT neste sentido. Ações como esta é que podem modificar a atual situação e contribuir para que a gente construa uma sociedade menos desigual. Conte com gente!”, enfatizou Antonio da Silva Pinto.



Luiz Flávio Borges D’Urso falou como a Ordem dos Advogados acredita e apoia o projeto.
“É uma satisfação estar aqui. Eu que vi este projeto começar. A Ordem dos Advogados do Brasil desde um primeiro momento esta junto desta luta pela ampliação dos espaços de cidadania. Até porque cidadania é conhecermos os nossos direitos e podermos lutar por eles. A essência das coisas está no acreditar, no ter fé. Por isso temos que acreditar no ser humano, que precisa mais da gente e da mobilização, como em ações com este perfil. São iniciativas como esta da CEERT que mudam o mundo. A OAB que é a casa da cidadania está neste projeto”, reforçou o Diretor Institucional da OAB/SP.
O Cônsul Geral de Angola, Belo Mangueira, destacou as diferenças entre o Brasil e Angola.
“É uma realidade diferente a que se apresenta no Brasil quanto à Angola, no que se refere a discriminação com a criança negra, tanto com relação a adoção, pois lá a maioria de crianças é negra e aos interessados em adotar também. Sobretudo é importante acompanhar o que tem sido feito neste sentido. Desejo que este movimento continue e alcance êxito”, disse o Cônsul.
A vice-presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente de São Paulo, Solange Agda, recebeu um agradecimento individual pelo apoio dado para que o projeto obtivesse o apoio da Petrobras.
“Fico muito feliz em estar aqui. O sistema de garantia de direitos precisa ser pensado quanto a prevenção, não apenas de forma punitiva. Este tema é muito importante, pois todos têm que ter seus direitos garantidos”, afirmou Solange.
Mariza Borges, presidente do Conselho Federal de Psicologia foi contundente em sua fala quanto a promoção de uma sociedade mais justa.
“É uma honra estar aqui, uma satisfação pessoal para mim. Vejo este movimento relacionado aos direitos humanos em geral como mais um passo que damos como sociedade para chegarmos a um momento de organização social, onde não precisaremos de ordenamento legal.  Estes passos nos encaminham para que possamos rasgar todos estatutos e termos uma sociedade livre, igualitária e justa”, explicou.
Para Daniel Teixeira, Coordenador do Projeto, “Fazer parte deste programa que enfoca o tema é muito importante” e defendeu a ação preventiva da iniciativa.
“Além de combatermos o racismo de forma reativa precisamos prevenir a partir do Estatuto da Criança e do Adolescente. Desde como as crianças negras são preteridas no momento da adoção, até as práticas de bullying nas escolas. Trabalhamos este projeto de forma ampla. Nosso foco é no Conselheiro Tutelar, mas abrange todas as áreas. È muito bom ver que o CEERT esta cumprindo seu papel também nesta área. Contribuindo de forma que possamos enxergar que o racismo na infância é uma forma grave de maus tratos.”









A palestra ministrada pelo Dr. Hédio Silva Jr. intitulada: “Estatuto da Criança e do Adolescente e Racismo na Infância”, transcorreu sobre os artigos do ECA, e como a Lei já assegura e prevê punições aos casos de maus tratos à criança e ao adolescente.
“A Alteração no ECA 12.010/2009, de reconhecimento legal da existência de racismo contra crianças negras.é algo muito importante, pois reconheceu o racismo e passou a incluir campanhas de estímulo a adoção de crianças negras. Além disso é importante destacar que discriminação racial deve ser considerada como maus tratos.  A experiência de discriminação pode inclusive definir o destino do indivíduo. Nós precisamos juntos empreender esforços para implementação do ECA, para que este tema faça parte dos Conselhos Tutelares e que seja levado a sério. Para que as crianças sejam preparadas para conviver com a diversidade”, ressaltou o palestrante.
Como ação prática, os conselheiros tutelares presentes irão montar uma agenda para debater e inserir o tema.



Fotografo: Leo Castro
Fotos :
01-   Dr. Hédio Silva Jr., Diretor Executivo do CEERT; o
02-   Dr. Antônio Carlos Malheiros, Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
03-   Diretor de Relações Institucionais da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB/SP): Luiz Flávio Borges D’Urso
04-   Antônio da Silva Pinto, Secretário da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial (SMPIR)


EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA E LANÇAMENTO DO CD JONGO NO SUDESTE - SÃO PAULO


Por : Oliver Oliveira 

O jongo, também conhecido como caxambu e corimá,1 é uma dança brasileira de origem africana dançada ao som de tambores como o caxambu. É essencialmente rural. Faz parte da cultura afro-brasileira. Influiu poderosamente na formação do samba carioca, em especial, e da cultura popular brasileira como um todo. Segundo os jongueiros, o jongo é o "avô" do samba.

PRETA: UM POEMA DE BRUNA DE PAULA



Poema : Bruna de Paula 
Enviado por : Taty Tudinha`s 



Preta, eu sei
Eu sei que você não gostava muito de se olhar no espelho
Sei que seu cabelo era um problema
Preta, eu sei
Eu sei que a professora não tocava sua cabeça como a das outras meninas
Eu sei que você não tocava nos seus fios
Eu sei da dor que era desembaraçar
Eu sei também que vieram os apelidos
Eu sei que seu desejo era acabar com aquilo
Eu sei que nenhuma boneca sua se parecia com você
Ou nenhuma estrela de tv
Eu sei que você se achava menos bonita
Eu sei o que você fez pra escapar disso tudo
Você relaxou, não foi? Você alisou...
Você puxou, você esticou
Eu tava lá, preta... eu vi
Você se desenhou branca? Você sonhou com você tendo outro cabelo e outra pele?
Tava imposto, não tinha jeito
Você fingia ser outra pra alcançar respeito
Eu sei preta, que você se viu na outra preta que passou
Com seu cabelo solto, cheio de crespura e amor
Eu sei que você se viu
Eu sei, preta... você tem medo, né?
Você acha que seu cabelo não é digno de respeito
Você tem medo dos olhares e das reações
Mas preta, deixa eu te contar
Beleza maior em você, irá encontrar
Você nunca se sentiu completa com aquelas máscaras, não é verdade?
Você vai viver a beleza de ser você
Vai ver, vai gostar
Vai voltar pra me contar
Vem preta, solta esse cabelo
Olhe suas irmãs e veja quanto espelho
Descobriu seu poder?
Ninguém nunca mais vai te dizer
Quem você tem que ser. 

terça-feira, 15 de julho de 2014

GRUPO DIVINA DANÇA APRESENTAÇÃO EM ESPETÁCULO DUPLO




DO DIÁLOGO AO MANIFESTO ( de Andrea Pivatto ) - 35 minutos - é uma criação reflexiva e espontânea sobre a comunicação humana. Através de registros coletados via internet e nas ruas, DO DIÁLOGO AO MANIFESTO vem através desses elementos situar  implicitamente o poder da comunicação. Referências como o filme The Wall, as Pussy Riots e depoimentos coletados  durante 1 ano de pesquisa são fonte de inspiração e dialogam entre si transbordando densidade. Permite ainda questionar o mundo contemporâneo através de possíveis manifestações em tempo real durante o espetáculo. Por fim é a comunicação que possibilita a mudança, aquela que beneficia.








POR UM SORRISO ( de Henrique Rodovalho ) - 24 minutos - é uma obra sutil, poética e nostálgica que remete a um tempo que passou, um tempo de inocência e esperança. A assinatura do coreógrafo aqui transborda leveza e uma certa irreverência, característica da maioria de suas criações. A trilha sonora, fundamental para a leveza da obra, encontra no corpo do elenco o eco necessário para comunicar tal abordagem.
FICHA TÉCNICA
Direção: Andrea Pivatto
Coreografia: Do diálogo ao manifesto – Andrea Pivatto
Coreografia: Por um Sorriso – Henrique Rodovalho
Elenco “ Do diálogo ao manifesto” : Flavia Lucato, Gabriel Santos, Marcela Pinho, Myuki Ohmuro, Natalia Yukie, Renato Barbosa, Ricardo Alves
Elenco “Por um sorriso” : Antonio Marques, Flavia Lucato, Gabriel Santos, Marcela Pinho, Myuki Ohmuro, Natalia Yukie, Renato Barbosa, Ricardo Alves
Pré profissional: Myuki Ohmuro
Estagiário: Mauricio Alves
Assistente de produção: Monize Vasconcelos
Assistente de ensaio: Natalia Yukie
Professores convidados: Ricardo Scheir e Valéria Mattos
Apoio: Capezio, Pavilhão D Centro de Artes
Patrocínio : O Boticário na Dança




SERVIÇO:

DATA :23 de julho de 2014
Horário: 20:00 
Local: Teatro Polytheama 
Rua Barão de Jundiaí, 176, Centro – Jundiaí 
Entrada franca / Classificação: 12 anos





MULHER NEGRA LATINO-AMERICANA E CARIBENHA


DIA 25 DE JULHO : DIA NACIONAL DE TERESA DE BENGUELA E DA MULHER NEGRA NO MEMORIAL ZUMBI


segunda-feira, 7 de julho de 2014

DIA INTERNACIONAL DA MULHER NEGRA DA AMÉRICA LATINA E CARIBENHA


Programação Especial do Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha. A data é um marco internacional da luta e resistência da mulher negra contra a opressão de gênero, o racismo e a exploração de classe.


 Saiba mais em www.ccj.art.br — em Centro Cultural da Juventude.

Filme nigeriano retrata super-heróis da Mitologia Africana


Fonte: Afrokut 


Quantos descendente de nórdicos,gregos ou romanos você conhece?
Já assistiu o filme Thor? Fúria de Titãs?

Você já notou que apesar das semelhanças arquetípicas com outras mitologias, como a grega, romana,nórdica... a mitologia africana sempre é mostrada como algo profano, maldoso, enquanto a história das outras é romanceada? 


Foi pensando nisso que o Diretor nigeriano Nosa Igbinedion concebeu o projeto de seu filme Oya: Rise of the Orisha, que está em fase de pós produção e deve lançar um trailer em breve . 

A premissa básica da história é tomar um panteão de deuses, proveniente da Nigéria e para voltar a apresentá-los como super-heróis modernos. O filme se passa em um futuro próximo. É um filme de super-heróis, por isso é uma hiper-realização do nosso mundo contemporâneo. A ideia é pegar a realidade e transformá-la um pouco mais.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Projeto DOMINGO NA LESTE quer incluir Samba Rock no calendário cultural da cidade de São Paulo



 Fonte : Lau Francisco



Trazer o público de volta para os grandes eventos de Samba Rock é o principal objetivo do evento DOMINGO NA LESTE SAMBA ROCK, que acontece no próximo dia 06 de julho de 2014, das 17h às 23h, no New Clube da Cidade – Espaço Moinho. O projeto é uma parceria entre o coletivo Samba Rock Na Veia, Equipe Club VIP e a histórica produtora de Bailes Chic Show. Além de chamar a atenção do público para uma das manifestações mais originais em termos de dança popular, a meta também é incluir o Samba Rock no calendário cultural da cidade de São Paulo.







Trazer o público de volta para os grandes eventos de Samba Rock é o principal objetivo do evento DOMINGO NA LESTE SAMBA ROCK, que acontece no próximo dia 06 de julho de 2014, das 17h às 23h, no New Clube da Cidade – Espaço Moinho. O projeto é uma parceria entre o coletivo Samba Rock Na Veia, Equipe Club VIP e a histórica produtora de Bailes Chic Show. Além de chamar a atenção do público para uma das manifestações mais originais em termos de dança popular, a meta também é incluir o Samba Rock no calendário cultural da cidade de São Paulo.




Um pouco de história
Samba rock é um tipo dança que surgiu da criatividade dos frequentadores dos bailes em casas de família e salões da periferia de São Paulo no final da década de 1960 e começo da década de 1970 mesclando os movimentos do rock and roll com os passos do Samba de gafieira.
Na primeira metade da década de setenta o estilo foi chamado por diversos nomes Sambalanço, Swing, Rock Samba, e finalmente Samba rock por causa do lançamento de uma primeira coletânea que trazia músicas que eram tocadas nos bailes de samba-rock e regravadas especialmente para estes bailes.
A primeira coletânea lançada em 1978 e que se chamava “Samba Rock o Som dos Black`s” deu início a uma nova era para o samba rock onde eram re-gravados vários sucessos de bailes da época fazendo com que fosse mais fácil o acesso a essas músicas que ate então eram músicas fora de catálogo e difíceis de se encontrar. Tornando assim o Samba rock mais conhecido na grande São Paulo e outros estados.
Serviço
Projeto Domingo na Leste
Local: New Clube da Cidade – Espaço Moinho
Rua Padre Adelino, 292 – Belém (Apenas 400m da Estação Belém do Metrô)
São Paulo – SP
Tels.: 11 99473-0449 – 11 99587-4554
Valores: R$ 5,00