EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

EXPOSIÇÃO : IMPRENSA NEGRA PAULISTA - BELA VISTA - GRÁTIS





Com curadoria de Ana Barone, Edilza Sotero e Flávia Rios, o CPC apresenta a exposição “Imprensa negra paulista”. A mostra reúne fotografias, recortes, clichês e outros registros que contam um pouco da história da imprensa negra no estado de São Paulo. Juntamente com o lançamento do “Portal USP da Imprensa negra paulista”, a exposição acontece como uma atividade paralela ao simpósio “Negros nas Cidades Brasileiras”, que teve por objetivo colocar em destaque a questão do espaço urbano no Brasil sob a perspectiva das relações raciais. Segundo a organizadora, “Olhar para o objeto urbano a partir da questão racial traz uma leitura que permite criar novos significados para o debate sobre a produção e apropriação do espaço urbano no Brasil, a segregação e a cidadania, colocando esses problemas em um novo prisma e pressupondo novos recortes, periodizações, orientações metodológicas e epistemológicas.”

Sinopse: 
A mostra reúne fotografias, recortes, clichês e outros registros que contam um pouco da história da imprensa negra no estado de São Paulo. Juntamente com o lançamento do “Portal USP da Imprensa Negra Paulista”, a mostra é uma atividade paralela ao simpósio “Negros nas Cidades Brasileiras”, realizado entre 24 e 26 de agosto. A imprensa negra tem uma longa tradição no estado de São Paulo. Desde o século XIX, esses periódicos fazem parte das formas organizativas de afro-brasileiros que reivindicavam a igualdade racial, especialmente depois da abolição da escravidão. Esses jornais foram editados, sobretudo, na capital paulista e em Campinas, localizações onde o ativismo negro se tornou mais expressivo. A exposição apresenta alguns dos principais editores dos periódicos e líderes de associações negras, além de páginas ilustradas de alguns desses veículos. Nas páginas desses jornais, os enfrentamentos cotidianos em defesa da cidadania negra e suas formas de resistência coletiva aparecem entrecortados pelas energias utópicas da modernidade e suas promessas de igualdade e justiça social.


Nenhum comentário:

Postar um comentário