EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

quinta-feira, 31 de março de 2016

O RAPPA DOMINGO NO SESC ITAQUERA







A turnê "Nunca Tem Fim..." apresenta ao público as faixas de novo disco, indicado ao Grammy Latino, e que tem como marca a tradução sonora da força que o brasileiro emprega em seu dia a dia, em cada uma de suas batalhas, trazendo melodias esculpidas em dub, reggae, rock e hip hop. O resultado se mostra em todas as faixas, como no dub "O horizonte é logo ali" e no compasso reggae de "Boa noite, Xangô". Outros sucessos como "Anjos (Pra quem tem Fé)", com mais de 13 milhões de visualizações no YouTube, e "Auto-reverse", também fazem parte do repertório, ao lado de clássicos dos 20 anos de estrada, como "Me deixa" e "Pescador de Ilusões".
Local: Palco da Orquestra Mágica
• Os palcos do Sesc Itaquera são ao ar livre, e a unidade é aberta para o acesso de todos os públicos. Por isso o show é gratuito e não existe retirada antecipada de ingressos;
• Sugerimos que antecipe sua chegada, e aproveite para almoçar, fazer um lanche ou piquenique e participar de outras atividades do dia;
• Possuímos também pontos de alimentação, com refeições por quilo, sanduíches, salgados, bebidas e sobremesas;
• Como o show será em um gramado ao ar livre, prefira roupas e calçados confortáveis e venha prevenido para chuva ou sol forte;
• Não é permitido trazer garrafas e utensílios de vidro;
• Não é permitida a entrada de animais;
 
Estacionamento:
• R$10 (Credencial Plena) ou R$20 (Demais públicos) – Valores para o uso diário do serviço.
• Nossas vagas de estacionamento são limitadas (cerca de 1000 vagas) e não há outros estacionamentos nas imediações. Por isso, recomendamos que chegue cedo e prefira o transporte público.

quarta-feira, 30 de março de 2016

NARRATIVA CAIÇARA EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA DE MARCOS ROGÉRIO MENEGHESSI



Fonte: Agência de Noticías - Assembléia Legislativa 
Fotos: Preta Jóia 

Alguns fotografam , como eu , outros fazem arte como Marcos Rogério Meneghessi  (Preta Jóia)


Inaugurada na segunda-feira, 28/3, no Espaço Cultural V Centenário da Assembleia Legislativa de São Paulo, a exposição fotográfica Narrativa Caiçara. A mostra traz, até o dia 11/4, 48 fotografias realizadas por Marcos Rogério Meneghessi, retratando a liberdade, simplicidade, paz e uma vida mais pacata no litoral de São Paulo, mais precisamente na cidade de Itanhaém. 



O Fotógrafo






Marcos Rogério Meneghessi é paulistano, e encontrou na fotografia um hobby para expressar suas idéias e concepções sobre o mundo. Como instrutor de multimídias em colégios particulares de São Paulo, utilizou a câmera fotográfica como instrumento didático para a criação de projetos ousados nas áreas de design de sites e animação em stop motion. É co-fundador e fotógrafo do "Portal Esporte Foto" e também presidente e membro-fundador do Coletivo de Fotógrafos de Itanhaém (Cofit).


Sobre a exposição 

As paisagens e imagens das fotografias de Meneghessi promovem a auto-realização do artista e também seus instintos criativos e livres, fazendo-o acreditar na sensação e na liberdade de buscar a imagem, com muita força e abrindo espaço para algo natural. Assim, com esse trabalho o artista amplia seus horizontes e seu olhar que é transformado em imensas possibilidades de criar suas fotografias. 




















terça-feira, 22 de março de 2016

SUCESSO: LANÇAMENTO DO LIVRO DE JOYCE RIBEIRO - CHICA DA SILVA ROMANCE DE UMA VIDA


Foto: divulgação 

Texto e fotos : Preta Jóia 


Sempre admirei o trabalho de Joyce Ribeiro como jornalista, e como defensora do direitos de nós negros, então eu não poderia deixar prestigiar o lançamento de seu livro sobre Chica da Silva, uma personagem da nossa história que deixou sua marca e foi imortalizada em filmes e novelas  como mulher negra de forte personalidade, que teve coragem para ser tão determinada na época em que viveu e que Joyce retrata em seu livro à partir de um novo olhar.

Ontem o 2º piso da Livraria Cultura lotou de amigos, fãs, personalidades como Izzy Gordon e Thulla Melo  (cantoras) Adriana Alves(atriz), Simone Sampaio e Ivi Mesquita (Rainhas do Samba Paulistano) , Janaína Ex-BBB,  Otunba Adekunle Aderonmu (Presidente do Centro Cultural Africano), Maurício Pestana (Secretário da Promoção da Igualdade Racial), a família e uma fila enorme que aguardava para receber seu autógrafo no livro adquirido, e ela atendeu à todos com muita simpatia e cordialidade durante três horas.  O lançamento foi um sucesso.






Palavras de Joyce sobre sua obra: 
"...Depois de muito trabalho e pesquisa escrevi um romance baseado na história da Chica da Silva, mulher forte, determinada e com características que ainda não são conhecidas. O livro conta muitas delas. 
Foi maravilhoso mergulhar na personalidade desta mulher que ainda hoje é atual e admirável em tantos aspectos. Amei contar esta história e espero que vocês também gostem.... "

Chica de Silva foi uma mulher forte, batalhadora, mãe de 14 filhos, entre eles 9 meninas, a quem lutou para  dar educação numa época que era privilégio dos homens. 

Querem saber mais, façam como eu , comprem o livro, preço acessível : R$ 34,90.

Já comecei a ler, estou adorando, recomendo.
















quarta-feira, 16 de março de 2016

Numerologia do Amor, o livro para entender as relações afetivas chega às livrarias de São Paulo, no dia 17 de março

“Almas Gêmeas não existem”: a afirmação é do numerólogo Luiz Alexandre Junior que encerra uma trilogia com uma pesquisa aprofundada sobre reencarnação e destino


Lançamento:
17/03 - Quinta-feira, às 20h
Livraria da Vila 
Rua Fradique Coutinho, 915 - Pinheiros - SP
(11) 3814-5811
Entrada Gratuita

O tão aguardado terceiro livro do numerólogo Luiz Alexandre Jr. chega às livrarias do Brasil a partir de março de 2016. A obra “Numerologia do Amor - Reencarnação e Destino” completa a trilogia do autor de “Numerologia - A chave do Ser” e “Numerologia do Tempo”. O livro traz o olhar de quem tem como premissa a reencarnação, vê a vida como um plano de trabalho e usa a numerologia como prova matemática desta verdade. Uma dessas conclusões do autor aborda um tema que promete muita discussão: "Não existe Alma Gêmea!" 

“Depois de ter passado pela Chave do Ser e do Tempo não poderia continuar a escrever minha obra de numerologia sem antes falar do amor e dos relacionamentos que supostamente derivam dele. Alerto o fato de que assim como ocorreu com os outros livros anteriores, este livro é produto da minha inquietação, não rivaliza com nenhum saber seja laico ou comum e nem quero com isso desanuviar os que acreditam piamente nos amores, casamentos e reencontros de almas gêmeas. Embora saiba que é exatamente o que acontecerá com o leitor após ler este livro e refletir sobre as especulações que deixo impressas nele”, comentou Alexandre Jr. 

A obra “Numerologia do Amor - Reencarnação e Destino” será lançado pela Editora Griot, que tem o foco na difusão do pensamento espiritualista, na descobertas do homem moderno e na diversidade de interpretação que as pessoas fazem sobre a própria existência.

“Muitos anos se passaram, e eu tentando criar coragem para escrever algo que pudesse maldizer o amor dito, vivido e revivido. Fazer do amor uma tabula rasa para depois bendizê-lo. Era obrigação de ofício, e caminho natural de quem vive diariamente ouvindo histórias de desamores, almas gêmeas e não tão gêmeas assim”, narra o autor. 

O Autor
Luiz Alexandre Jr. é filósofo, pesquisador, escritor, numerólogo e espiritualista. Escreveu as obras literárias “Numerologia - A Chave do Ser” (Editora Talento, 2002) e “Numerologia do Tempo” (Editora Talento, 2007). Luiz Alexandre Jr. é Presidente do CECURE (Centro de Pesquisas Aplicadas e de Terapias de Cura Espiritual) fundado em 2009, em São Paulo, e do Templo da Liberdade Tupinambá, em Paraty, RJ, aberto em 2011. 

“Numerologia do Amor - Reencarnação e Destino”
Editora Griot - 2016
Valor do Livro: R$53,00 

Promoção:
Os 10 primeiros livros ganharão um “Mapa Numerólogico do Amor” realizado pelo numerólogo Luiz Alexandre Jr.

Informações à Imprensa
Central de Comunicação
Camila Gonçalvez
(11) 97326-9170

Engravidei, Pari Cavalos e Aprendi a Voar Sem Asas no Sesc Belenzinho


Projeto coloca em cena trabalhos em que o protagonismo é da mulher; “Engravidei...” dá voz e revê os estereótipos sobre a mulher negra.


“O espetáculo é sensível às questões femininas negras, discute coisas que não são faladas socialmente, como a saúde da mulher, questões de como elas são tratadas pelo sistema público e a resiliência dessas mulheres. Ela ganha menos, trabalha mais, tem os piores empregos e é responsável pela família e, além de tudo, dificilmente tem um companheiro, fato que impacta e muito sua vida”
Lucelia Sérgio


A partir do depoimento de diversas mulheres, de diferentes camadas sociais e profissões (integrantes do sistema prisional, donas de casa, sambistas, religiosas de matrizes africanas, empresárias, líderes comunitárias, prostitutas, entre outras), colhidos em 2013 pelo coletivo Os Crespos, o grupo concebeu o espetáculo ‘Engravidei, Pari Cavalos e Aprendi a Voar Sem Asas’, que faz temporada no Sesc Belenzinho no período de 31 de março a 03 de abril, dentro do projeto ARTE – Substantivo Feminino, que encerra sua programação em meados de abril.

Em cena, a atriz Lucelia Sérgio - que divide a direção do espetáculo com Sidney Santiago Kuanza – expõe ao público histórias que envolvem violência masculina, sexo, traumas psicológicos e sobrevivência, além de permear temas como afetividade, família, casamento, sexo, solidão, beleza e igualdade.

O espetáculo é parte da trilogia ‘Dos Desmanches aos Sonhos’ que contém ‘Além do Ponto’ e  ‘Cartas à madame Satã ou me desespero sem notícias suas’, que investiga as relações entre afetividade, negritude, gênero e o impacto da escravidão na nossa maneira de amar.

A trilogia vem sendo criada pelos Crespos desde janeiro de 2011 e foi concluída em julho de 2014.  Em cada um dos espetáculos, o grupo abordou a temática da afetividade negra a partir de uma perspectiva diferente.




O espetáculo

Em cena, a atriz debruça-se sobre cinco mulheres negras e suas privacidades, atira ao público suas trajetórias afetivas, permitindo à plateia conviver, durante o tempo da peça, com seus respectivos cotidianos. Essas mulheres/personagens tentam enxergar e modificar seus destinos, como lagartas aprendendo a voar, revelando seus medos, dores, amores e sonhos. Como em um jogo, no qual o espectador acompanha a transformação da atriz em diferentes mulheres, a peça cruza fragmentos de vidas, sem necessariamente confrontá-las, entregando para o público a linha que costura seus caminhos.

A cena envolve ambientes privados, casas sem paredes, onde as personagens são reveladas. A trilha sonora, executada por uma DJ, conta ainda com músicas compostas para as personagens. 

Os Crespos

Os Crespos é um coletivo teatral, composto por atores negros, que realiza pesquisas cênica e audiovisual, além de promover debates e intervenções públicas. Formado na Escola de Arte Dramática EAD/ECA/USP, está em atividade desde 2005, tendo realizado excursões por diversas regiões do Brasil e também Alemanha e Espanha.

Em 2006 participou do espetáculo “Anjo Negro + A Missão”, com direção do alemão Frank Castorf; em 2007 realizou o espetáculo autoral “Ensaio Sobre Carolina”, com o qual excursionou por diversas cidades do Brasil nos anos de 2008 e 2009; em 2009 e 2010 apresentou o projeto “A Construção da Imagem e a Imagem Construída”; em 2011 estreou o espetáculo “Além do Ponto”. Em 2012 circulou com o espetáculo pelo Estado de São Paulo e recebeu o Prêmio de Direitos Humanos e Combate ao Racismo Flavio F. Sant’Ana, da prefeitura da Cidade de São Paulo. Em 2013 e 2014 dá continuidade à trilogia Dos Desmanches aos Sonhos estreando os espetáculos “Engravidei, Pari cavalos e Aprendi a Voar Sem Asas” e “Cartas à Madame Satã Ou Me Desespero Sem Notícias Suas”.

Em 2015 é contemplado pelo Fomento Ao Teatro Para a Cidade de São Paulo, através da qual realiza a pesquisa "De Brasa e Pólvora - Zonas Incendiárias, Panfletos poéticos" que trata das revoltas negras do Brasil e do Caribe. A Cia também realizou, ao longo desses 10 anos, 2 edições da Mostra Cinematográfica “Faz lá o Café”, a 1.a Mostra de Teatro Negro de São Paulo e os premiados curtas “D.O.R”, “Nego Tudo” e “Ser ou Não Ser”, além de produzir a revista "Legítima Defesa - Uma revista de Teatro Negro". 


ARTE – Substantivo Feminino

O ARTE – Substantivo Feminino põe luz na mulher, como foco principal de obrasescolhidas por trazerem temáticas relevantes e de diferentes pontos de vista sobre o feminino. A ideia é abordar a mulher nas artes, tanto no conteúdo das obras – suas lutas em batalhas, dentro da história e da sociedade –, quanto na gestão e criação dos trabalhos.

Ficha técnica 
Direção: Lucelia Sergio e Sidney Santiago Kuanza. Atriz: Lucelia Sergio. Texto: Cidinha da Silva. Dramaturgia: Cidinha da Silva e Os Crespos. Colaboração Criativa de direção: Aysha Nascimento. Atrizes colaboradoras do processo de criação: Dani Nega, Dani Rocha, Darília Lilbé, Dirce Thomaz, Maria Dirce Couto, Nádia Bittencourt. Direção de arte: Mayara Mascarenhas. Iluminação: Edu Luz. Trilha sonora: Dani Nega.

TEATRO
ENGRAVIDEI, PARI CAVALOS E APRENDI A VOAR SEM ASAS!
De 31 de março a 03 de abril de 2016, quinta a sábado, às 21h30, e Domingos, às 18h30
Cia Os Crespos. Em cena, a privacidade de cinco mulheres negras é flagrada quando expõem suas trajetórias afetivas, permitindo ao público entrar em seus respectivos cotidianos. Elas tentam enxergar e modificar seus destinos, como lagartas aprendendo a voar, revelando seus medos, dores, amores e sonhos. A trilha sonora, executada por uma DJ, conta ainda com músicas compostas para as personagens.
Sala de Espetáculos I. Duração: 60 minutos
IngressosR$ 20,00 (inteira); R$ 10,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante); R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).
Não recomendado para menores de 14 anos.

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000
Belenzinho – São Paulo (SP
Telefone: (11) 2076-9700
www.sescsp.org.br/belenzinho
Estacionamento
Para espetáculos com venda de ingressos:
R$ 11,00 (não matriculado);
R$ 5,50 (matriculado no SESC - trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo/ usuário).
Assessoria de Imprensa e Credenciamento:
Sesc Belenzinho

Jacqueline Guerra: (11) 2076-9762
Sueli Freitas: (11) 2076-9763
imprensa@belenzinho.sescsp.org.br

Anastácia em Oju Orum, espetáculo infanto juvenil, com o Coletivo Quizumba, no Sesc Belenzinho

Figura 1 Cena do espetáculo Oju Orum - Foto de Alicia Peres


Fonte:Canal Aberto Assessoria 

ARTE – Substantivo Feminino traz o mito da negra Anastácia em Oju Orum, espetáculo infanto juvenil, com o Coletivo Quizumba, no Sesc Belenzinho


m cena, elementos da cultura africana e afro-brasileira - a capoeira angola, o samba, o funk e as narrativas orais – como base da pesquisa do espetáculo.

Quatro mulheres (Anastácia, Alice, Alzira e Anita) em períodos históricos distintos. Em comum,  o fato de serem pessoas que, em algum momento das trajetórias, sofreram algum tipo de violência, seja ela simbólica ou não. Com esse mote e direção de Johana Albuquerque, o Coletivo Quizumba faz OJU ORUM, que se apresenta no projeto ARTE – Substantivo Feminino, no Sesc Belenzinho de 24 a 27 de março de 2016. O espetáculo é resultado do projeto Santas de Casa Também Fazem Milagres, contemplado com a Lei de Fomento da Cidade de São Paulo, em sua 25ª edição.
Tendo como elemento disparador o mito da negra Anastácia, o espetáculo Oju Orumapresenta a história de quatro mulheres, em espaços e tempos distintos e simultâneos. Suas narrativas expõem, simbolicamente, os discursos de poder que estão por trás da construção de gêneros. Caladas nas falas e corpos, essas quatro jovens procuram construir uma voz que lhes permita questionar e ressignificar suas vidas.
A direção de Johana Albuquerque é focada no público jovem e tem como base de pesquisa elementos da cultura africana e afro-brasileira, tais como a capoeira angola, o samba, o funk e as narrativas orais. A pesquisa para a dramaturgia desse espetáculo surgiu das muitas versões da história da negra Anastácia (Oju Orum, originalmente), trazida ao Brasil como escrava.
A peça não pretende trazer uma versão da mulher somente como vítima, e sim como ser histórico, sujeito e objeto dessas situações, trazendo à tona histórias de mulheres comuns, as vivências, experiências e lutas.
Uma busca por contar outras narrativas que vão para além da história hegemônica que impõe, em geral, a perspectiva masculina, heteronormativa, adulta, branca, urbana. É pela força do questionamento que acreditam também no poder de um teatro voltado para juventude e na cultura afro como disparadores éticos e estéticos.
Histórico – Coletivo Quizumba
Fundado em 2008, o Coletivo Quizumba sempre teve as pesquisas pautadas pela cultura afro-brasileira. Os experimentos narrativos iniciaram-se em 2009 e, em 2010, com a estreia do primeiro espetáculo: Quizumba!, contemplado com o Edital ProAC de Montagem de Espetáculo Inédito, da Secretaria do Estado da Cultura de São Paulo.
Em 2012, a partir do estudo sobre a figura do Griot e dos narradores da cultura popular, o grupo estreou Cantos de Aiyê, baseado em contos oriundos de diversos povos do continente africano. Na sequência, em 2013, nasceu o projeto Toguna: narrativas afro-brasileiras.
Contemplado com o Edital ProAC Ocupação de Bibliotecas, ainda em 2013, o coletivo realizou, na Biblioteca Municipal Paulo Duarte, espaço temático especializado em cultura afro-brasileira, um projeto que envolveu apresentações teatrais, shows musicais, mesas de debate, oficinas artísticas, exposições e um sarau. Todas as ações envolveram a comunidade da região do Jabaquara (Zona Sul de São Paulo).
O repertório do Coletivo Quizumba foi apresentado em espaços variados, por diversas cidades do país. Além da capital paulista, já estiveram em Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Sorocaba, Campinas, Salto de Pirapora, Lins, Goiânia - GO e Salvador - BA.
ARTE – Substantivo Feminino

O ARTE – Substantivo Feminino põe luz na mulher, como foco principal de obrasescolhidas por trazerem temáticas relevantes e de diferentes pontos de vista sobre o feminino. A ideia é abordar a mulher nas artes, tanto no conteúdo das obras – suas lutas em batalhas, dentro da história e da sociedade –, quanto na gestão e criação dos trabalhos.

Ficha técnica 
Dramaturgia - Tadeu Renato
Encenação - Johana Albuquerque
Co-Direção - Sofia Botelho
Elenco - Camila Andrade, Jefferson Matias, Kenan Bernardes, Thais Dias e Valéria RochaMúsicos - Bel Borges e Melvin Santhana
Direção e Concepção Musical - Jonathan Silva
Preparadora Musical - Bel Borges
Direção em Dança - Verônica Santos
Treinamento Em Capoeira Angola - Pedro Peu
Cenário - Julio Dojcsar - Casa Da Lapa
Figurinos - Éder Lopes
Iluminação - Wagner Antonio
Operador de Luz - André Rodrigues
Brincante (Adereços) - Cleydson Catarina
Visagista - Ariane Molina
Documentarista - Alicia Peres
Designer Gráfico - Murilo Thaveira - Casa Da Lapa
Produção - Coletivo Quizumba

TEATRO INFANTO JUVENIL
OJU ORUM
De 24 a 27 de março de 2016, quinta-feira, às 19h, e sábado e domingo, às 17h.
*sexta-feira não haverá apresentação
Tendo como elemento disparador o mito da negra Anastácia, o espetáculo apresenta a história dessas quatro mulheres, em espaços e tempos distintos e simultâneos. Suas narrativas expõem, simbolicamente, os discursos de poder que estão por trás da construção de gêneros. Caladas em suas falas e corpos, essas jovens procuram construir uma voz que lhes permita questionar e ressignificar suas vidas. A obra não pretende trazer uma versão da mulher somente como vítima, e sim como ser histórico, sujeito e objeto dessas situações, trazendo à tona histórias de mulheres comuns, suas vivências, experiências e lutas. Uma busca por contar outras narrativas que vão para além da história hegemônica que impõe, em geral, a perspectiva masculina, heteronormativa, adulta, branca, urbana. É pela força do questionamento que acreditamos também no poder de um teatro voltado para juventude e na cultura afro como disparadores éticos e estéticos.


Sala de Espetáculos I. Duração: 95 minutos
Ingressos: R$ 20,00 (inteira); R$ 10,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante); R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).
Não recomendado para menores de 14 anos.

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000
Belenzinho – São Paulo (SP
Telefone: (11) 2076-9700
www.sescsp.org.br/belenzinho
Estacionamento
Para espetáculos com venda de ingressos:
R$ 11,00 (não matriculado);
R$ 5,50 (matriculado no SESC - trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo/ usuário).
Assessoria de Imprensa e Credenciamento:
Sesc Belenzinho

Jacqueline Guerra: (11) 2076-9762
Sueli Freitas: (11) 2076-9763
imprensa@belenzinho.sescsp.org.br
SESC SP | Facebook | Twitter

LANÇAMENTO: Joyce Ribeiro lança livro “Chica da Silva - Romance de uma vida”




Fonte: Carlos Romero 

“Muito diferente da imagem de mulher excêntrica, escandalosa e amoral
que foi repassada ao longo dos anos, a verdadeira Chica da Silva tem
outros contornos que, aos poucos, vão sendo revelados.” É assim que
Joyce Ribeiro introduz seu primeiro livro, "Chica da Silva - Romance
de uma vida" que tem o objetivo de revelar as nuances dessa figura
histórica cheia de polêmicas.

Joyce usa uma narrativa romântica para moldar a imagem de Chica da
Silva de uma forma original e desprovida de preconceitos, seguindo a
protagonista desde seu nascimento na senzala de Arraial do Milho Verde
até sua morte como cidadã livre em Arraial do Tejuco. O leitor é
apresentado à uma mulher forte e livre que não deixou que sua condição
de escrava a impedisse de lutar por seus sonhos e amores.

Ainda que o livro se aproxime mais de um romance histórico do que de
uma biografia, Joyce contou com a ajuda da pesquisadora Mirian Inês e
uma extensa bibliografia para relatar a vida de Chica da Silva de
maneira autêntica, criando uma obra única e sensível.

O lançamento do livro será no dia 21 de março na Livraria Cultura do
Conjunto Nacional em São Paulo e estará disponível nas livrarias a
partir do dia 28 do mesmo mês.

Sobre a autora

Âncora do Jornal da Semana SBT, Joyce Ribeiro é uma das jornalistas de
maior credibilidade da TV Nacional. Atua há dez anos na emissora,
sendo também parte da equipe do SBT Brasil, além de acumular passagens
pelos já extintos Aqui Agora,  Boletim de Ocorrências e SBT São Paulo.

A jornalista ainda está à frente da luta pelos direitos dos negros e
das mulheres, por isso recebeu em 2009 o prêmio da 7ª edição Troféu
Raça Negra e em 2010 o Camélia da Liberdade, da ONG CEAP (Centro
Articulado de Populações Marginalizadas), por valorizar em seu
trabalho, a capacidade e competência da mulher.

Serviço:
Titulo: Chica da Silva - Romance de uma vida
Lançamento: 21 de março – Das 19h às 22h
Local:  Livraria Cultura – Conjunto Nacional
Endereço: Av. Paulista, 2073 – Consolação, São Paulo - SP
Editora:  Planeta
Ano: 2016
Edição: 1a.
Número de páginas: 192
Formato:  16x23cm
Preço: R$ 34,90